Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

"SEM SOMBA DE PECADO" – A CRÍTICA A HISTÓRIA D'O NA SÁBADO

publicado por Miguel Seara às 10:45

link da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012

PRÉ-PUBLICAÇÃO DE HISTÓRIA D'O NO JORNAL I






publicado por Miguel Seara às 10:33

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Novembro de 2012

HISTÓRIA D´O – PAULINE REÁGE

 

 

As correntes e o silêncio, que deveriam aprisioná-la no fundo de si mesma, sufocá-la, estrangulá-la, libertavam-na… Ousaria alguma vez dizer-lhe que nenhum prazer, nenhuma alegria, nenhuma fantasia, poderia aproximar-se da felicidade que sentia na liberdade com que ele a usava?

 

A bela e jovem O testa os limites da sua mente e do seu corpo através de uma sexualidade violenta e inquieta neste romance clássico da literatura erótica. Enclausurada no castelo de Roissy, O submete-se a todos os desejos e fantasias do seu amante. A entrega, total, é-lhe escrita na pele, marcada na carne. Um processo de iniciação que vai levá-la mais longe do que alguma vez imaginou: ao lugar onde o prazer máximo pertence ao outro.

Considerado um dos mais polémicos romances do século XX, História d’O foi galardoado com o Prix des Deux Magots, em 1955.

publicado por Miguel Seara às 12:21

link da entrada | comentar | favorito
|

HISTÓRIA D´O – A CRÍTICA

 

 

“Um livro extremamente perturbador. Uma sombria obra-prima.”

The Spectator

 

“Um feito raro. Um livro pornográfico bem escrito e sem quaisquer traços de obscenidade.”

Graham Greene

 

“Tantos anos após a sua publicação, História d'O continua a ser um livro poderoso.”

The Guardian

 

“Extraordinário.”

The Observer

publicado por Miguel Seara às 12:20

link da entrada | comentar | favorito
|

PAULINE RÉAGE

Pauline Réage (1907 – 1998) é o pseudónimo de Anne Desclos, jornalista e escritora francesa. História d'O foi publicado originalmente em 1954, causando grande controvérsia e especulação em relação à verdadeira identidade da autora. Na sua génese, está o desafio lançado pelo editor Jean Paulhan, que afirmou não acreditar que uma mulher fosse capaz de escrever um romance erótico. Anne Desclos admitiu a sua autoria apenas quarenta anos após a publicação. História d'O foi adaptado para o cinema em 1975.

publicado por Miguel Seara às 12:20

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 31 de Outubro de 2012

EM NOVEMBRO...

publicado por Miguel Seara às 12:41

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Outubro de 2012

O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS, NO LIVRO DO DIA, DA TSF

 

 

A rapariga tem quinze anos e meio. A mulher que escreve quase setenta. A mulher que escreve recorda. A rapariga de quinze anos e meio, quando for uma mulher de setenta anos, há-de dizer de si própria: «Muito cedo na minha vida foi tarde de mais».

O romance O Amante é assumidamente autobiográfico. A protagonista, uma adolescente francesa filha da diretora de uma escola, conhece um empresário chinês numa barcaça que atravessa o rio Mékong. Estamos na Indochina, no final dos anos vinte do século XX, ainda antes daquela colónia francesa se tornar no atual Vietname.

Tal como na memória não há nada de linear neste livro que é um dos marcos da literatura francesa da segunda metade do século passado. A escrita de Marguerite Duras é de uma exatidão extrema. O resultado final, na acumulação de imagens e momentos, tem o mesmo carácter difuso que constitui a matéria das nossas recordações mais fundas.

A rapariga de quinze anos e meio terá o seu primeiro amante mas, mais do que essa história, de uma iniciação amorosa, esta é a história de como os sentimentos se misturam, estão longe - como tudo o que vivemos de ser puros e lineares: «por vezes sei isto: que a partir do momento em que escrever não é todas as coisas confundidas, ir à vacuidade e ao vento, escrever não é nada».


Para ouvir aqui.

publicado por Miguel Seara às 11:16

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Outubro de 2012

RELER O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS, NO BLOGUE HORAS EXTRAORDINÁRIAS

 



Recentemente, a jornalista Teresa Sampaio do programa Ler+ convidou-me a falar sobre um dos meus livros preferidos. A lista é grande, como a de todos os leitores deste blogue, tenho a certeza; mas, certamente porque saberia das minhas hesitações, a jornalista sugeriu que eu falasse de um romance que fora objecto de um post bem elogioso aqui no blogue, provavelmente porque também ela o achava merecedor de divulgação e leitura. Falo de O Amante, de Marguerite Duras, vencedor do prémio Goncourt em 1984, sobre um episódio assumidamente biográfico, a relação que a escritora manteve, aos quinze anos e meio, com um chinês milionário de vinte e sete na exótica Indochina onde então vivia. Aceitei o desafio, mas, como já não lia o romance havia anos, disse cá para mim que o melhor era relê-lo, sentir-lhe de novo o cheiro e ter tudo mais fresco. Tratando-se, porém, de um desses romances que cremos terem mudado a nossa vida, estava aterrada com o que poderia vir a achar tantos anos depois. Já me acontecera regressar a um livro que tinha amado e não conseguir sequer perceber o que me atraíra nele da primeira vez e, quanto a este, não queria que se quebrasse o encanto. Porém, assim que abri a velhinha edição e li aquela frase «Muito cedo na minha vida foi tarde demais», percebi que o feitiço era para sempre e que não corria, afinal, qualquer risco. Reli-o num virote e fiquei outra vez com pena quando acabou. Tenho a certeza de que todos temos paixões assim.

 

Retirado do blogue Horas Extraordiárias, de Maria do Rosário Pedreira.

publicado por Miguel Seara às 10:25

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2012

MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA FALA DE O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS, NO LER MAIS, LER MELHOR

publicado por Miguel Seara às 10:05

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Julho de 2012

BERNARD PIVOT ENTREVISTA MARGUERITE DURAS
















publicado por Miguel Seara às 11:36

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Julho de 2012

TRAILER DO DOCUMENTÁRIO SOBRE MARGUERITE DURAS REALIZADO POR SOLVEIG NORDLUND

publicado por Miguel Seara às 11:36

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 4 de Julho de 2012

VENCEDORES DO PASSATEMPO O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS

 


Com que prestigiado galardão literário foi distinguida a obra O Amante, de Marguerite Duras?

Prémio Goncourt

 

Vencedores:

78 – Pedro Alexandre Costa

93 – Ana Catarina Nogueira Miranda

186 – Paulo Lima

publicado por Miguel Seara às 15:40

link da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 27 de Junho de 2012

O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS, NO BLOGUE HORAS EXTRAORDINÁRIAS

 

 

Aqui há tempos, num festival de escritores, o apresentador de um programa cultural da TV andava a angariar escritores e editores para dizerem, em mais ou menos meio minuto, qualquer coisa de jeito sobre um dos livros da sua vida. Ali à pressa, ocorreu-me em primeiro lugar O Amante, de Marguerite Duras, romance que li à saída da universidade, com o francês muito fresco e um fraquinho pela literatura francesa. Não era o primeiro livro de Duras que lia (estreara-me, efectivamente, com Moderato Cantabile, de que foi feito um filme com Jeanne Moreau, mas não vi), que me fora emprestado por um professor, depois de lhe ter dito que estava a gostar muito de O Silêncio, de Teolinda Gersão. Mas O Amante era uma leitura tão diferente, tão sedutora, tão refinada e com uma maldade tão irresistível que acho que mudou de certa forma a minha maneira de gostar de livros. Depois de um período de carência, o romance de Duras está de novo disponível no mercado português, agora editado pela ASA, na sua colecção Vintage. E, embora conheça alguns leitores que não se conseguiram afeiçoar à escrita da grande senhora francesa, tenho de aconselhar esta maravilha a todos os que ainda não a leram, porque, se gostarem, vão gostar muito, estou certa, e querer navegar em toda a magnífica obra (tantos livros tão bons) que espero venha a ser retomada pela chancela que referi. Até eu, que não costumo ter tempo para reler livros, estou a considerar a possibilidade de o fazer. Uma belíssima história de amor entre um par incompatível, este romance valeu a Duras o Prémio Goncourt, o mais importante galardão literário de França.

 

Retirado do blogue Horas Extraordiárias, de Maria do Rosário Pedreira.

publicado por Miguel Seara às 10:14

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 26 de Junho de 2012

PASSATEMPO – O AMANTE, DE MARGUERITE DURAS

 

Responda corretamente a esta questão e ganhe um dos três exemplares de O Amante, de Marguerite Duras, que a ASA tem para oferecer.


– O passatempo decorre até dia 3 de julho
– Só é permitida uma participação por pessoa, morada e e-mail
– Só são aceites participações de residentes em Portugal Continental e Ilhas
– Participações com respostas incorretas ou dados incompletos serão eliminadas
– O vencedor será sorteado aleatoriamente entre todas as participações corretas e completas, sendo posteriormente contactado pela ASA
– A ASA não se responsabiliza por qualquer extravio nos correios

publicado por Miguel Seara às 10:15

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 19 de Junho de 2012

O AMANTE – MARGUERITE DURAS

 



Muito cedo na minha vida foi tarde de mais

 

Saigão, anos 30. Uma bela jovem francesa conhece o elegante filho de um negociante chinês. Deste encontro nasce uma paixão. Ela tem quinze anos e é pobre. Ele tem vinte e sete e é rico. Os amantes, isolados num mundo privado de erotismo e autodescoberta, desafiam as convenções da sociedade.

Enquanto ela desperta para a possibilidade de traçar o seu próprio caminho no mundo, para o seu amante não há fuga possível. A separação é inevitável e tragicamente cadenciada pelos últimos acordes da presença colonial francesa a Oriente.

A jovem é a própria autora e este é o relato exacerbado de uma paixão inquieta e dilacerante. De tão etérea, a sua realidade gravar-lhe-ia no rosto marcas implacáveis de maturidade. Para o mundo, fica uma obra que contém toda a vida.

 

Obra intemporal, relato de um mundo perdido, O Amante foi vencedor do prestigiado Prémio Goncourt, em 1984, e confirmou o génio literário de Marguerite Duras, nome cimeiro da literatura mundial.

publicado por Miguel Seara às 10:32

link da entrada | comentar | favorito
|

O AMANTE – O FILME

publicado por Miguel Seara às 10:32

link da entrada | comentar | favorito
|

O AMANTE – A CRÍTICA

 

 

“Estimulante, sensual, melancólico, real, moderno e feminino… A obra-prima de Marguerite Duras.”

The Independent

 

“Poderoso, autêntico… Perfeito.”

The New York Times

 

“Um romance impecavelmente bem escrito.”

The Spectator

 

“Maravilhoso, inteligente, agradável e original.”

The Sunday Times

 

“Um espetacular sucesso.”

Edmund White

 

“Uma obra que contém toda a vida… Visões de amor e ódio que nunca tinha lido antes. Como pode algo tão etéreo ser muito mais do que real? Suponho que isto seja a marca do génio literário.”

Fay Weldon

 

“Asas e livres, económicas e implícitas, belas, belas, belas, belas. Espantosa simplicidade à qual Marguerite Duras chegou pelas vias ínvias de narração que ganhou fluência apesar de todas as descontinuidades, estimulada pela feminilidade ou a paixão de ver claro.”

Diário de Notícias

publicado por Miguel Seara às 10:31

link da entrada | comentar | favorito
|

O AMANTE – MARGUERITE DURAS. PRIMEIRO CAPÍTULO DISPONÍVEL PARA DOWNLOAD GRATUITO

 

 

Muito cedo na minha vida foi tarde de mais. Aos dezoito anos era já tarde de mais. Entre os dezoito e os vinte e cinco anos o meu rosto partiu numa direção imprevista. Aos dezoito anos envelheci. Não sei se é assim com toda a gente, nunca perguntei. Parece-me ter ouvido falar dessa aceleração do tempo que nos fere por vezes quando atravessamos as idades mais jovens, mais celebradas da vida. Este envelhecimento foi brutal. Vi-o apoderar-se dos meus traços um a um, alterar a relação que havia entre eles, tornar os olhos maiores, o olhar mais triste, a boca mais definitiva, marcar a fronte de fendas profundas. Em vez de me assustar, vi operar-se este envelhecimento do meu rosto com o interesse que teria, por exemplo, pelo desenrolar de uma leitura.

 

Podem ler o primeiro capítulo de O Amante, de Marguerite Duras, aqui.

publicado por Miguel Seara às 10:30

link da entrada | comentar | favorito
|

MARGUERITE DURAS

 

 

Marguerite Duras (1941-1996) é um dos expoentes máximos da literatura europeia do século XX. Nascida na Indochina Francesa (atual Vietname), onde passou a infância e a adolescência, a autora fica profundamente marcada pela paisagem e pela vida da antiga colónia francesa, frequentemente referidas na sua obra. O seu legado literário é vastíssimo e contempla romances e argumentos cinematográficos, dos quais Hiroshima, meu amor é sem dúvida o mais conhecido e marcante. Foi também realizadora e dramaturga. Em 1984, venceu o prestigiado Prémio Goncourt com O Amante, romance traduzido para quarenta e três línguas e adaptado ao cinema em 1992.

publicado por Miguel Seara às 10:25

link da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Maio de 2011

O VÉU PINTADO – ACTORES E REALIZADOR FALAM DO FILME

publicado por Miguel Seara às 15:12

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Maio de 2011

O VÉU PINTADO – TRAILER DA VERSÃO CINEMATOGRÁFICA DE 2006

publicado por Miguel Seara às 14:03

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 10 de Maio de 2011

VENCEDORES DO PASSATEMPO O VÉU PINTADO, DE SOMERSET MAUGHAM

 

 

Para além de O Véu Pintado, que outros romances de Somerset Maugham foram já publicados na Colecção Vintage?

Resposta: Servidão Humana e O Fio da Navalha.

 

Vencedores:

1 – Neusa do Vale

25 – Alexandra Barata

50 – Sara Paredes

75 – Bruno Lobato

100 – Rute Berquó Cruz

 

Parabéns aos vencedores e obrigado a todos os participantes.

publicado por Miguel Seara às 19:00

link da entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 3 de Maio de 2011

PASSATEMPO – O VÉU PINTADO, DE SOMERSET MAUGHAM

 

 

Para além de O Véu Pintado, que outros romances de Somerset Maugham foram já publicados na Colecção Vintage?

 

Envie a sua resposta para asavintage@sapo.pt – e se estiver correcta e for a 1.ª, a 25.ª, a 50.ª  75.ª ou a 100.ª a chegar, ganha automaticamente um dos cinco exemplares de O Véu Pintado, de Somerset Maugham, que a ASA tem para oferecer. A data limite é domingo, dia 8 de Maio.

 

publicado por Miguel Seara às 11:50

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Abril de 2011

O VÉU PINTADO – SOMERSET MAUGHAM

 

 

Kitty sente-se prisioneira de um casamento infeliz e de um estilo de vida que está longe de ser aquele que sonhou para si. Sem que tivesse obtido a notoriedade social que desejava e afastada do seu país e da família devido à profissão do marido – bacteriologista destacado para Hong Kong –, a jovem acaba por encontrar algum consolo numa relação extraconjugal. Mas a traição acaba por ser descoberta pelo marido, que leva a cabo uma estranha e terrível vingança…


Através do despertar espiritual da adorável e fútil Kitty, Somerset Maugham pinta um retrato vívido da presença britânica na China e apresenta-nos uma galeria de personagens inesquecíveis.

 

O Véu Pintado foi por três vezes adaptado para o cinema: em 1934, num filme protagonizado por Greta Garbo; em 1957, com Bill Travers e Eleanor Parker; e em 2006, num filme realizado por John Curran, com Edward Norton e Naomi Watts nos principais papéis.

publicado por Miguel Seara às 09:40

link da entrada | comentar | favorito
|

O VÉU PINTADO – A CRÍTICA

 

 

Somerset Maugham foi o escritor moderno que mais me influenciou.”

George Orwell

 

“Um dos meus escritores favoritos.”

Gabriel García Márquez

 

“É impossível a um escritor da minha geração, se for honesto, ser indiferente à obra de Somerset Maugham.”

Gore Vidal

 

“Um escritor com uma dedicação tremenda.”

Graham Greene

 

O Véu Pintado, com a sua melancolia, a sua tensão moral, a sua ironia e compaixão, a sua evocação crescente de luxúria, terror e arrependimento, é uma obra de arte.”

The Spectator

 

“Um espantoso romance que através de uma bem caracterizada galeria de personagens questiona habilmente temas intrínsecos à natureza humana… Brilhante!”

A Capital

 

“Em O Véu Pintado, está patente o enorme domínio narrativo do autor.”

O Independente

 

“Em O Véu Pintado, Somerset Maugham faz uma magnífica caracterização da presença britânica na China e apresenta, como é seu hábito, uma admirável galeria de personagens.”

Diário de Notícias

 

publicado por Miguel Seara às 09:40

link da entrada | comentar | favorito
|

Pesquisar neste blog

 

Inspirada por um conceito intrinsecamente associado a qualidade e singularidade, a Coleção Vintage tem por objetivo reunir obras literárias excecionais, da autoria de escritores consagrados.






















































Arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

a terceira condição

amos oz

aniversário

biografia

coleção vintage erótica

corriere della sera

crítica

dia mundial do livro

edith wharton

edward norton

efeméride

el periódico

entrevista

excerto

expresso

filme

focus

forward

haaretz

henry e june

henry miller

história d'o

i

john curran

john updike

jornal de letras

jornal de negócios

le monde

livraria ideal

marguerite duras

milan kundera

naomi watts

natalie portman

nexus

o amante

o fio da navalha

o livro do riso e do esquecimento

o pequeno traidor

o véu pintado

ópera

passatempo

paul auster

pauline réage

philip roth

plexus

prefácio

prémio nobel de literatura

prémios

público

rtp

sábado

servidão humana

sexus

sic

sinopse

sol

somerset maugham

sono crepuscular

the hindu

the nature of dreams

the new york times

time out

trailer

tsf

uma história de amor e trevas

uma pantera na cave

vídeo

visão

weekend económico

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds