Quarta-feira, 29 de Abril de 2009

HENRY E JUNE

 

 

Realizado por Phlip Kaufman em 1990, Henry e June retrata o início a relação entre Henry Miller e Anaïs Nim, quando o autor de Sexus se muda para Paris. O filme conta com Maria de Medeiros, Fred Ward, Uma Thurman e Kevin Spacey nos principais papéis.

publicado por Miguel Seara às 11:43

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Abril de 2009

HOJE É O DIA MUNDIAL DO LIVRO

publicado por Miguel Seara às 10:33

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

A COLECÇÃO VINTAGE NO SOL

Se o conceito está na moda para tudo, por que não haveria de estar também para os livros? É o argumento para se reunirem estes três livros – com mais a caminho – sob o mesmo “tecto”: uma Colecção Vintage. O grafismo das capas pisca discretamente o olho ao conceito, mas não é esse o objectivo principal a reter. Aqui, é à intenção que se deve dar valor. Porque no fundo trata-se apenas de um bom motivo para dar nova vida a obras fundamentais de uma selecção cuidadosa de escritores conceituados. Se já temos Sexus – o ponto inaugural da fundamental trilogia Rosa-Crucificação –, O Livro do Riso e do Esquecimento – pano de fundo para toda uma obra de casamento entre humor e reflexão filosófica – e A Terceira Condição – o pulsar mais claro de uma voz que tem tanto de literária como de histórica –, não precisamos de pedir muito mais para que os ventos da moda vintage tenham sido bem aproveitados.

publicado por Miguel Seara às 11:21

link da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 17 de Abril de 2009

NAS LIVRARIAS

Podem também encomendar A Terceira Condição, de Amos Oz, através da Mediabooks.

publicado por Miguel Seara às 09:56

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO NA LIVRARIA IDEAL

publicado por Miguel Seara às 17:07

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

LEIA OS PRIMEIROS CAPÍTULOS DE A TERCEIRA CONDIÇÃO

Cinco dias antes do drama, Fima teve um sonho que registou às cinco e meia da manhã no seu bloco de sonhos. Este, de cor castanha, jazia debaixo de uma pilha desordenada de jornais e revistas velhos que se encontrava no chão, aos pés da cama. Fima tinha o costume de escrever na cama, aos primeiros alvores da madrugada, quando a luz pálida surgia quebrada pelas ripas dos estores. Se não tinha sonhado nada ou se se tinha esquecido, mesmo assim acendia o candeeiro, piscava os olhos, sentava-se na cama e, colocando sobre os joelhos uma revista grossa que improvisava um tampo de mesa, escrevia, por exemplo, isto:

“Vinte de Dezembro — nada.”

ou:

“Quatro de Janeiro — algo com uma raposa e uma escada, mas com pormenores apagados.”


Continue a ler A Terceira Condição aqui.

publicado por Miguel Seara às 14:32

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 13 de Abril de 2009

ENTREVISTA DO THE NEW YORK TIMES A AMOS OZ

© Rina Castelnuevo / The New York Times

Durante quatro décadas, Amos Oz tem sido conhecido em Israel e no mundo por duas coisas, os seus fervorosos ideais políticos de esquerda e a sua ficção intimamente observadora. Ele sempre insistiu que são duas coisas distintas, e assim parecem. Os seus romances e contos não são alegorias sobre o conflito palestiniano, mas relatos produndamente tocantes de ambiguidade e melancolia. Por outro lado, os seus ensaios políticos, explicam o seu ponto de vista com uma transparência absoluta.

 

Uma das maneiras que ele tem de separar as duas formas de escrita é usando dois tipos de canetas, uma azul, a outra preta, que estão pousadas na secretária do escritório repleto de livros na sua casa, nesta pacata cidade no deserto.

 

“Nunca as misturo”, afirma Amos Oz sobre as canetas. “Uma é para mandar o governo para o Inferno. A outra é para contar histórias.”

 

Leia o resto da entrevista a Amoz Oz, publicada hoje no The New York Times, aqui.

publicado por Miguel Seara às 11:47

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 9 de Abril de 2009

ENTREVISTA DO HAARETZ A AMOS OZ

"Ser um israelita com setenta anos é provavelmente como ser um sueco com duzentos anos, uma vez que já vi muita coisa, já vi tudo. Nasci antes da criação do Estado, e lembro-me dos dias anteriores ao nascimento do Estado e dos primeiros dias e anos do Estado de Israel. É bom ser israelita, apesar de ser uma vida dura, mas pelo preço de uma vida normal vivemos duzentos anos."

Leia a entrevista completa do Haaretz a Amos Oz aqui.

publicado por Miguel Seara às 10:39

link da entrada | comentar | favorito
|

FESTIVAL CELEBRA OS SETENTA ANOS DE AMOS OZ

A cidade de Arad, onde reside Amos Oz, será palco de um festival para assinalar os setenta anos do autor, que nasceu a 4 de Maio de 1939, em Jerusalém. O evento será realizado entre 7 e 9 de Maio e contará com a presença de Shimon Peres, Presidente de Israel.

tags:
publicado por Miguel Seara às 10:01

link da entrada | comentar | favorito
|

A TERCEIRA CONDIÇÃO – AMOS OZ

 

Um ponto de vista apaixonante sobre o conflito que opõe israelitas e palestinianos.


Fima é um sonhador totalmente incapaz de agir sobre a sua própria vida. Este homem de meia-idade sofre por sentir que decepcionou o seu pai ao acomodar-se a um emprego como recepcionista de uma clínica ginecológica, e a sua ex-mulher, a quem permitiu abandonar o casamento sem opor qualquer resistência. Fima também se decepciona a si próprio diariamente. Fascinado pela carismática Annette, nada faz para se aproximar dela e mantém uma amizade estéril com Nina, para quem cada acto sexual dá azo a uma obsessiva espiral de limpeza pessoal e doméstica. Ele não consegue sequer matar uma barata sem que se sinta sufocar em reflexões sobre o povo judeu. Fima acabará, contudo, por ter o seu momento de redenção durante um passeio pelas ruas de Jerusalém, quando se pacifica por fim com o seu estatuto de judeu errante.

publicado por Miguel Seara às 09:50

link da entrada | comentar | favorito
|

A TERCEIRA CONDIÇÃO – A CRÍTICA

“Um romance notável. Se o leitor é daqueles que ainda não foram tocados pela magia do verbo deste escritor, sugerimos-lhe que faça a sua estreia com A Terceira Condição.”

Diário de Notícias

 

“Um livro interessante feito de memória, actualidade e afectividade. Podemos dizer que Amos Oz é a voz frontal do seu povo. Igual ao húmus da sua terra.”

A Capital

 

“Um romance de alto nível literário.”

Jornal de Notícias

 

“O mais encantador personagem literário da década.”

Elle

 

“Espantoso, electrizante e inebriante.”

The New Yorker

 

“Realista e onírico, cómico e grave, límpido mas enigmático, A Terceira Condição confirma o lugar de Amoz Oz entre os maiores romancistas contemporâneos.”

L’Hebdo

 

“Eloquente, humano, até religioso no sentido mais profundo da palavra, Amos Oz emerge como uma espécie de Orwell sionista: um homem complexo, obcecado com a decência e determinado, acima de tudo, em contar a verdade, independentemente de quem possa ofender.”

Newsweek

publicado por Miguel Seara às 09:49

link da entrada | comentar | favorito
|

AMOS OZ

Amos Oz nasceu em Jerusalém, em 1939, no seio de uma família judaica de emigrantes russos e polacos. Aos 15 anos enfrentou o pai e abandonou Jerusalém para viver e trabalhar no kibutz de Hulda, onde completou o ensino secundário. Após terminar o serviço militar em 1961, voltou ao kibutz para trabalhar nos campos de algodão.

 

Com apenas 20 anos publicou o seu primeiro conto na prestigiante revista literária Keshet, tendo a assembleia do kibutz decidido enviá-lo para a Universidade Hebraica de Jerusalém para estudar Filosofia e Literatura. Voltou licenciado ao kibutz de Hulda, onde repartiu o tempo entre a escrita, o trabalho e o ensino.

 

Em 1967, era reservista da unidade de blindados que lutou na frente do Sinai durante a Guerra dos Seis Dias e, em Outubro de 1973, combateu na Guerra do Yom Kippur nos montes Golã.

 

Entre 1969 e 1970 foi professor convidado no St. Cross College de Oxford. Em 1975 e 1990, foi escritor residente na Universidade Hebraica de Jerusalém. Entre 1984 e 1985, passou, com a mulher e o filho, um ano como professor residente no Colorado Spring College nos Estados Unidos.

 

Amos Oz continua a dedicar-se à escrita e ao ensino. É professor catedrático de Literatura Hebraica na Universidade Ben-Gurion do Neguev em Beer Sheva.

 

Desde a Guerra de 1967, Amos Oz publicou inúmeros artigos e ensaios sobre o conflito israelo-árabe e fez campanha a favor da paz através de um compromisso baseado no mútuo reconhecimento; da convivência pacífica entre Israel e um Estado palestiniano na Cisjordânia e em Gaza. Oz foi uma das principais figuras do movimento Peace Now (Paz Agora). Os seus artigos, ensaios e a sua actividade política converteram-no numa figura ilustre de Israel.

 

Em 1991, foi eleito membro da Academia da Língua Hebraica. Em 1992, recebeu o Friendenpreis, outorgado pelo governo alemão e um dos mais prestigiantes pela luta a favor da paz. Em 2004, recebeu o Prémio Internacional da Catalunha e Uma História de Amor e Trevas o Prémio France Culture e o Prémio de Literatura do Die Welt. Em 2007, recebeu o Prémio Príncipe de Astúrias de Literatura.

 

É autor de doze romances, três livros de contos, sete ensaios e um livro infantil. No catálogo ASA estão já publicados os romances A Terceira Condição, Não Chames à Noite Noite, Uma Pantera na Cave, O Meu Michael, O Mesmo Mar e Uma História de Amor e Trevas.

 

Amos Oz é o autor israelita mais traduzido em todo o mundo, estando as suas obras disponíveis em 36 línguas.

publicado por Miguel Seara às 09:49

link da entrada | comentar | favorito
|

AMOS OZ – PRÉMIOS E DISTINÇÕES

1965 – Prémio Holon para Artzot Ha-Tan

1968 – Prémio da Fundação Cultural Israelo-Americana

1973 – Prémio B’nai B’rith

1976 – Prémio Brenner de Literatura para Har Ha-Etzah Ha-Rah’ah

1978 – Prémio Ze’ev de Literatura Infantil para Soumchi

1983 – Prémio Bernstein de Literatura para Menuhah Nechonah

1984 – Oficial da Ordem das Artes e das Letras de França

1985 – Nomeado Escritor do Ano pelo Lotos Club

1986 – Prémio Bialik de Literatura

1988 – Prémio Femina Étranger para A Caixa Negra

Prémio H. H. Wingate para A Caixa Negra

1991 – Membro da Academia de Língua Hebraica

1992 – Prémio da Paz da Feira do Livro de Frankfurt

1993 – Prémio Luchs de Literatura Infantil para Soumchi

Prémio Hamoré de Literatura Infantil para Soumchi

1994 – Prémio Maurice A. Stiller de Literatura

1997 – Cavaleiro da Cruz da Legião de Honra de França

Prémio Blue Cobra para Uma Pantera na Cave

1998 – Prémio de Literatura de Israel

1999 – O Meu Michael foi considerado um dos 100 melhores romances do século XX pela Bertelsmann

2002 – Medalha Internacional da Tolerância

Prémio Liberdade de Expressão

2003 – Prémio Wizo para O Mesmo Mar

2004 – Prémio Internacional da Catalunha

Prémio de Literatura do Die Welt para Uma História de Amor e Trevas

Prémio France Culture para Uma História de Amor e Trevas

Prémio Literário Sandro Onofri para Uma História de Amor e Trevas

Prémio Literário Ovidius

Prémio da Paz da Lombardia

2005 – Prémio Goethe de Literatura

Prémio Bruno Kreisky de Literatura Política para Uma História de Amor e Trevas

Comandante da Ordem das Artes e das Letras de França

Prémio Koret para Uma História de Amor e Trevas

Jewish Quarterly-Wingate Literary Award para Uma História de Amor e Trevas

Membro Honorário da Sociedade Helénica de Autores

2006 – Prémio Internacional Corine de Literatura

Prémio Nacional Judaico de Literatura para Uma História de Amor e Trevas

Prémio SY Agnon para Uma História de Amor e Trevas

Prémio Europa

2007 – Membro da Academia Americana de Artes e Ciências

Nomeado Homem do Ano pelo Museu de Arte de Telavive

Prémio Grinzane Cavour de Literatura

Prémio Príncipe de Astúrias de Literatura

Cruz de Honra da República Federal da Alemanha

Prémio Maggid

2008 – Prémio Stefan Heym

Prémio Dan David

Prémio Primo Levi

Prémio Ulisses

Prémio Henrich Heine

2010 –  Grande Prémio  de Budapeste

Prémio Internacional Salão do Livro de Turim

publicado por Miguel Seara às 09:44

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Abril de 2009

DIA 17 DE ABRIL NAS LIVRARIAS

publicado por Miguel Seara às 11:01

link da entrada | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

PHILIP ROTH ENTREVISTA MILAN KUNDERA

 

 

No dia 30 de Novembro de 1980, o The New York Times publicou uma extensa entrevista de Philip Roth a Milan Kundera, a propósito de O Livro do Riso e do Esquecimento. Podem ler o artigo em que este dois pesos pesados da literatura mundial discutem sobre o fim do mundo, o totalitarismo, a liberdade, a literatura, o riso e a sexualidade aqui.

Para ler também a crítica de John Updike a O Livro do Riso e do Esquecimento, publicada no mesmo dia, aqui.

publicado por Miguel Seara às 09:53

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 6 de Abril de 2009

HENRY MILLER – MONÓLOGO DE CASA DE BANHO

publicado por Miguel Seara às 16:04

link da entrada | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 3 de Abril de 2009

A FOME DE MILLER – SOL

"Podíamos vê-lo a deambular, nos anos 30, nas ruas de Paris, cheio de fome. Fome de comida, fome de escrita, fome de leitura e, inevitavelmente, fome de sexo..."

Leia o resto da crítica de Filipa Melo, no Sol, a Sexus, de Henry Miller, aqui.

publicado por Miguel Seara às 09:28

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

SEXUS – A CRÍTICA DA TIME OUT


"Há livros que provocam um tal alarido fora das suas páginas que só quando o silêncio regressa são devidamente apreciados..."

Leia a continuação da crítica de Sara Figueiredo Costa, na Time Out, a Sexus, de Henry Miller, no blogue Cadeirão Voltaire.

publicado por Miguel Seara às 15:05

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

COLECÇÃO VINTAGE

Inspirada por um conceito intrinsecamente associado a qualidade e singularidade, esta colecção tem por objectivo reunir obras literárias excepcionais, da autoria de escritores consagrados.

publicado por Miguel Seara às 10:18

link da entrada | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO – MILAN KUNDERA

 

Considerado pelo The Observer como um dos 100 melhores livros de sempre.


Em 1971, três anos após a ocupação do seu país pelos Russos, Mirek – sob vigilância da polícia secreta – tenta recuperar as cartas de amor que escreveu a uma ex-namorada. Marketa e o marido, Karel, têm de lidar com a atitude cada vez mais infantil da mãe de Karel e, simultaneamente, com a amoral Eva e os desejos do passado. Numa pequena escola de Verão francesa, duas raparigas americanas aprendem as lições do riso. Jan, de 41 anos, prepara-se para atravessar diversas fronteiras – geográficas, existenciais e eróticas – para ter uma nova vida nos Estados Unidos. E Tamina, a quem o exílio obriga a trabalhar como camareira, luta desesperadamente contra o esquecimento, que começa a esfumar a recordação do seu falecido marido. A história desta bela exilada contém as verdades fundamentais do livro: a experiência trágica da Primavera de Praga e a vida no mundo ocidental.

 

Política e erotismo, humor e tristeza, utopia e quotidiano; contrastes que alimentam este “romance em forma de variações”, que é não mais que uma viagem ao coração da existência humana no século XX. Num mundo onde a História pode ser reescrita de dia para a noite e em que o amor pode ser vítima quer da intromissão política, quer da traição pessoal, estas são histórias de homens e mulheres a viver um esquizofrénico quotidiano de opressão pública e desejos privados.

publicado por Miguel Seara às 10:17

link da entrada | comentar | favorito
|

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO – A CRÍTICA

“Uma obra-prima.”

Salman Rushdie

 

“Uma obra-prima, um dos mais belos romances da segunda metade do século XX.”

António Mega Ferreira, Expresso

 

“Não há uma verdade mas diversas verdades (ou diversas ‘mentiras’), e Milan Kundera, cavaleiro solitário da arte, proporciona-nos o direito de as pressentirmos, apelando à nossa lucidez… Kundera é um escritor, um artista, não é um dissidente ‘à la Soljenitsine’. É, acima de tudo, um homem com H grande.”

Clara Ferreira Alves, Expresso

 

“Kundera é precisamente um romancista realista e metafísico; de um realismo e de uma metafísica extenuados e dolorosos; e, por esta razão, capaz de lampejos, de intuições penosas, de aparições escaldantes, de centelhas e de espasmos.”

Antonio Tabucchi, Jornal de Letras

 

publicado por Miguel Seara às 10:15

link da entrada | comentar | favorito
|

LEIA A PRIMEIRA PARTE DE O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO

Em Fevereiro, 1948, o dirigente comunista Klement Gottwald subiu à varanda de um palácio barroco de Praga para falar às centenas de milhares de cidadãos aglomerados na praça da Cidade Velha. Foi uma grande viragem na história da Boémia. Um momento fatídico, como acontece uma ou duas vezes por milénio.

 

Gottwald fazia-se acompanhar pelos camaradas, e ao lado, muito perto, estava Clementis. Nevava, estava muito frio, e Gottwald vinha de cabeça descoberta. Clementis, muito solícito, tirou o gorro de pele que trazia e colocou-o na cabeça de Gottwald.

 

A secção de propaganda fez centenas de milhares de exemplares da fotografia da varanda de onde Gottwald, de gorro de pele e rodeado pelos camaradas, fala ao povo. Nesta varanda começou a História da Boémia comunista. Todas as crianças conheciam a fotografia, porque a tinham visto nos cartazes, nos manuais ou nos museus.

 

Quatro anos mais tarde, Clementis foi acusado de traição e enforcado. A secção de propaganda fê-lo desaparecer imediatamente da História e, como é evidente, de todas as fotografias. A partir daí, Gottwald está sozinho na varanda. Onde ficava Clementis há apenas a parede vazia do palácio. De Clementis restou o gorro de pele na cabeça de Gottwald.

 

Continue a ler a primeira parte de O Livro do Riso e do Esquecimento aqui.

publicado por Miguel Seara às 10:10

link da entrada | comentar | favorito
|

MILAN KUNDERA

Romancista e ensaísta, Milan Kundera nasceu em Brno, na República Checa, em 1929. Após a publicação de A Brincadeira (1967), que lhe conferiu uma notoriedade imediata, e de O Livro dos Amores Risíveis (1969) (Prémio da União dos Escritores Checoslovacos), é vítima da repressão soviética a seguir ao esmagamento da Primavera de Praga. Os seus livros são interditos, é proibido de trabalhar e perde o direito de publicar. Em 1975, foge para Paris, onde vive desde então, tornando-se cidadão francês em 1981, após lhe ter sido retirada a nacionalidade checoslovaca, como consequência da publicação em França de O Livro do Riso e do Esquecimento.

Toda a sua obra está traduzida em Portugal, nomeadamente, nas Edições ASA, os romances A Identidade, A Lentidão, A Ignorância, A Valsa do Adeus e O Livro do Riso e do Esquecimento, a peça de teatro Jacques e o seu Amo e os ensaios Os Testamentos Traídos e A Cortina. Entre outros prémios, Milan Kundera recebeu, pelo conjunto da sua obra, o Common Wealth Award (1981), o Prémio Jerusalém (1985) e o Prémio Nacional de Literatura da República Checa (2007).

A sua obra A Insustentável Leveza do Ser foi adaptada ao cinema em 1988 por Philip Kaufman e protagonizada por Daniel Day-Lewis e Juliette Binoche. A Brincadeira foi também transposta para o cinema por Milos Forman em 1969.

publicado por Miguel Seara às 10:09

link da entrada | comentar | favorito
|

MILAN KUNDERA – PRÉMIOS E DISTINÇÕES

1964 – Prémio Estatal da República Socialista da Checoslováquia

1969 – Prémio da União dos Escritores Checoslovacos para O Livro dos Amores Risíveis

1973 – Prémio Médicis para o melhor romance estrangeiro publicado em França para A Vida não é Aqui

1978 – Prémio Mondello para o melhor livro publicado em Itália para A Valsa do Adeus

1981 – Common Wealth Award pelo conjunto da sua obra

1982 – Prémio de Literatura Europeia pelo conjunto da sua obra

1984 – Prémio do Los Angeles Times para a ficção para a obra A Insustentável Leveza do Ser

1985 – Prémio Jerusalém pelo conjunto da sua obra

1987 – Prémio da Crítica da Academia Francesa para A Arte do Romance

Prémio Nelly-Sachs

Prémio do Estado Austríaco para a Literatura Europeia

1991 – Prémio de Ficção Estrangeira do The Independent para A Imortalidade

1993 – Prémio Aujourd’hui para Os Testamentos Traídos

1994 – Prémio Jaroslav Seifert para A Imortalidade

1995 – Medalha de Mérito da República Checa pela sua contribuição para o desenvolvimento da democracia

2000 – Prémio Herder da Universidade de Viena

2005 – Prémio de Literatura de Brno

            Finalista do Man Booker International Prize 2005

2006 – Prémio Ladislav Kujs da Academia de Letras da República Checa

2007 – Prémio Nacional de Literatura da República Checa

2009 – Prémio Mundial da Fundação Simone e Cino del Duca

publicado por Miguel Seara às 10:08

link da entrada | comentar | favorito
|

SEXUS – HENRY MILLER

 

Pianista, coveiro, bibliotecário, pugilista… estes foram, entre outros, alguns dos ofícios do inquieto Henry Miller. Filho de um modesto alfaiate nova-iorquino, cresceu nas ruas de Brooklyn, cenário inicial de uma vida que ele próprio descrevia como sendo “mais real e mais importante do que tudo o que pudesse inventar”. Desconcertantemente sincero, crítico e inconformista, abandonou a América com destino a Paris, na década de 1930, para levar uma vida literária boémia. Miller chamaria a esta morte da sua antiga existência e ressurreição como escritor a “Rosa-Crucificação”. Esta dramática transformação forneceu o leitmotiv para alguma da sua melhor escrita, corporizando tudo o que ele sentia acerca da autolibertação e da verdadeira vida do espírito.

 

SEXUS, o livro primeiro da trilogia “Rosa-Crucificação”, recorda, de forma ficcionada, a vida americana de Miller nos anos 20, quando, numa busca frenética por antídotos para o seu emprego monótono e a vida num “bairro morbidamente respeitável” com a sua mulher Maude, alimentou uma obsessão pela misteriosa e promíscua Mara.

Publicado originalmente em Paris em 1949, este picaresco e extraordinariamente sincero relato das escapadelas sexuais de Miller esteve proibido nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha durante quase vinte anos.

publicado por Miguel Seara às 10:00

link da entrada | comentar | favorito
|

Pesquisar neste blog

 

Inspirada por um conceito intrinsecamente associado a qualidade e singularidade, a Coleção Vintage tem por objetivo reunir obras literárias excecionais, da autoria de escritores consagrados.






















































Arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

a terceira condição

amos oz

aniversário

biografia

coleção vintage erótica

corriere della sera

crítica

dia mundial do livro

edith wharton

edward norton

efeméride

el periódico

entrevista

excerto

expresso

filme

focus

forward

haaretz

henry e june

henry miller

história d'o

i

john curran

john updike

jornal de letras

jornal de negócios

le monde

livraria ideal

marguerite duras

milan kundera

naomi watts

natalie portman

nexus

o amante

o fio da navalha

o livro do riso e do esquecimento

o pequeno traidor

o véu pintado

ópera

passatempo

paul auster

pauline réage

philip roth

plexus

prefácio

prémio nobel de literatura

prémios

público

rtp

sábado

servidão humana

sexus

sic

sinopse

sol

somerset maugham

sono crepuscular

the hindu

the nature of dreams

the new york times

time out

trailer

tsf

uma história de amor e trevas

uma pantera na cave

vídeo

visão

weekend económico

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds