Quarta-feira, 21 de Abril de 2010

MILAN KUNDERA VENCE PRÉMIO REINO DE REDONDA E É NOMEADO DUQUE DE AMARCORD

 

O escritor checo Milan Kundera  venceu o 10.º Prémio Reino de Redonda pela “grande qualidade da sua obra de ficção, que reflecte as ambiguidades e contradições dos indivíduos do nosso tempo, tanto em regimes ditatoriais como democráticos”.

 

O galardão, instituído pelo escritor espanhol Javier Marías, através da editora Reino de Redonda, para distinguir o conjunto da obra de um escritor ou de um cineasta estrangeiro, tem o valor de 3000 euros e atribui igualmente um título nobiliárquico fictício. Assim, Milan Kundera será, a partir de hoje, Duque de Amarcord.


O autor de O Livro do Riso e do Esquecimento foi escolhido para este título como saudação a Fellini e declarou sentir-se “agradecido, honrado e divertido” pela atribuição do prémio, cuja continuidade em 2011 dependerá dos membros do júri, segundo referiu Javier Marías na acta da votação.


Entre outros, o júri desta edição integrava os escritores António Lobo Antunes, John Ashbery, Antony Beevor, A. S. Byatt, J. M. Coetzee, John Elliott, Pere Gimferrer, Claudio Magris, Eduardo Mendoza, Orhan Pamuk, Arturo Pérez-Reverte e Mario Vargas Llosa e os realizadores Pedro Almodóvar e Agustín Díaz Yanes.


Em edições anteriores foram galardoados com o Reino de Redonda J. M. Coetzee (Duque da Desonra), John Elliott (Duque de Simancas), Claudio Magris (Duque de Segunda Mão), Éric Rohmer (Duque de Olalla), Alice Munro (Duquesa de Ontário), George Steiner (Duque de Gerona), Umberto Eco (Duque da Ilha da Véspera) e Marc Fumaroli (Duque de Hoyhnhms).

publicado por Miguel Seara às 17:12

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

MILAN KUNDERA DISTINGUIDO COMO CIDADÃO HONORÁRIO DE BRNO

 

 

O escritor Milan Kundera foi ontem distinguido, em Paris, pelo presidente da Câmara de Brno, Roman Onderka, como cidadão honorário daquela cidade checa, onde nasceu há oitenta anos.

Kundera tinha já escrito uma carta aos representantes de Brno a afirmar que, apesar de aceitar a distinção, não poderia se deslocar àquela cidade da Morávia por razões de saúde.

A cerimónia teve lugar num restaurante perto da residência do autor em Paris e contou também com a presença da mulher do escritor, Vera Kundera, e do vereador para a relações internacionais de Brno, Mojmir Jerabek.

O evento não contou com a presença de jornalistas por pedido do autor.

publicado por Miguel Seara às 10:18

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 15 de Dezembro de 2009

MILAN KUNDERA NOMEADO CIDADÃO HONORÁRIO DE BRNO

 

Brno nomeou como cidadão honorário o escritor francês de origem checa Milan Kundera, nascido em 1929 naquela localidade do Sudeste da República Checa. A cidade quis desta forma reconhecer a trajectória literária de um dos seus mais distinguidos intelectuais do século XX.

Milan Kundera é um homem que admiro muito. Sei que já recusou por diversas vezes importantes distinções, até de família reais europeias. Porém, escreveu-nos uma carta em que confirma que, caso fosse distinguido, receberia o prémio”, afirmou à AFP o presidente da Câmara de Brno, Roman Onderka.

No entanto, devido ao seu estado de saúde, o escritor não poderá deslocar-se à República Checa para receber o galardão, sendo que o título lhe será entregue em mãos pelo presidente da Câmara de Brno em Paris, onde o escritor reside.

O título de cidadão honorífico é atribuído em cada quatro anos pela autarquia daquela cidade da região da Morávia.

publicado por Miguel Seara às 15:56

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 31 de Agosto de 2009

ESPECIAL MILAN KUNDERA NO LE MONDE

O Le Monde está a celebrar os vinte anos da queda dos regimes comunistas do Leste com uma série de artigos interactivos sobre figuras das artes e das letras da Europa de Leste. Não perca a peça sobre Milan Kundera, “o guardião das letras checas”, que inclui uma rara entrevista, um auto-retrato do autor e um artigo de opinião, publicados em 1979, 1984 e 1993 no Le Monde, aqui.

publicado por Miguel Seara às 11:49

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

61 LIVROS PÓS-MODERNOS ESSENCIAIS

O Livro do Riso e do Esquecimento, de Milan Kundera, foi considerado pelo Los Angeles Times como um dos 61 livros essenciais da literatura pós-moderna.

Podem consultar a lista completa aqui.

(Via Senhor Palomar e Bibliofilmes)

publicado por Miguel Seara às 16:50

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Junho de 2009

MILAN KUNDERA CANDIDATO AO PRÉMIO PRÍNCIPE DAS ASTÚRIAS DE LITERATURA 2009

Milan Kundera é um dos grandes favoritos à conquista do Prémio Príncipe das Astúrias de Literatura deste ano, que será anunciado na quarta-feira, dia 24 de Junho, às 11h00 (12h00, em Espanha).

 

Na lista de nomeados, contam-se trinta e um autores de vinte e cinco nacionalidades, entre eles, Ismaïl Kadaré, Agota Kristof, Antonio Tabucchi e Haruki Murakami.

 

Os Prémios Príncipe das Astúrias são uma série prémios de anuais atribuídos em Espanha pela Fundação Príncipe das Astúrias a indivíduos ou instituições de todo o mundo que tenham produzido contribuições notáveis nas seguintes áreas: Artes, Desporto, Ciências Sociais, Comunicação e Humanidades, Concórdia, Cooperação Internacional, Investigação Científica e Técnica e Literatura. Os prémios são apresentados em Oviedo, a capital do Principado das Astúrias, numa cerimónia conduzida pelo príncipe das Astúrias.

 

Os vencedores das três últimas edições foram Paul Auster, Amos Oz e Margaret Atwood.

publicado por Miguel Seara às 12:35

link da entrada | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Junho de 2009

MILAN KUNDERA RECEBE PRÉMIO MUNDIAL DA FUNDAÇÃO SIMONE E CINO DEL DUCA

O escritor Milan Kundera, autor de O Livro do Riso e do Esquecimento, fez uma rara aparição pública para receber o Prémio Mundial da Fundação Simone e Cino del Duca. O galardão foi entregue por Hélène Carrère d'Encausse, secretária vitalícia da Academia Francesa, sob a cúpula da instituição.

publicado por Miguel Seara às 17:30

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 3 de Junho de 2009

MILAN KUNDERA DISTINGUIDO COM O PRÉMIO MUNDIAL DA FUNDAÇÃO SIMONE E CINO DEL DUCA


 

O escritor Milan Kundera vai receber no dia 10 de Junho, na Cúpula do Instituto de França, em Paris, o Prémio Mundial da Fundação Simone e Cino del Duca, no valor de 300 mil euros.

 

Estabelecido em 1969, este galardão, que deve o seu nome ao editor Cino del Duca e à sua mulher, Simone, visa distinguir autores cuja obra literária ou académica transmita uma mensagem de humanismo moderno. Entre os galardoados com este prémio contam-se personalidades como Vaclav Havel e Andrei Sakharov.

 

Romancista e ensaísta, Milan Kundera nasceu em Brno, na República Checa, em 1929. Após a publicação de A Brincadeira (1967), que lhe conferiu uma notoriedade imediata, e de O Livro dos Amores Risíveis (1969), é vítima da repressão soviética a seguir ao esmagamento da Primavera de Praga. Os seus livros são interditos, é proibido de trabalhar e perde o direito de publicar. Em 1975, exila-se em Paris, onde vive desde então, tornando-se cidadão francês em 1981, após lhe ter sido retirada a nacionalidade checoslovaca, como consequência da publicação em França de O Livro do Riso e do Esquecimento, obra reeditada recentemente pela ASA na colecção Vintage.

 

Na ASA estão também publicados os romances A Identidade, A Lentidão, A Ignorância, A Valsa do Adeus, a peça de teatro Jacques e o seu Amo e os ensaios Os Testamentos Traídos e A Cortina.

 

Entre outros prémios, Milan Kundera recebeu, pelo conjunto da sua obra, o Common Wealth Award (1981), o Prémio Jerusalém (1985) e o Prémio Nacional de Literatura da República Checa (2007).

publicado por Miguel Seara às 15:57

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 12 de Maio de 2009

A CRÍTICA DO JORNAL DE LETRAS

   

Na ASA saem dois novos títulos da recém-criada colecção Vintage, que tem como objectivo lançar, em edições cuidadas, grandes obras da literatura mundial. É o caso de A Terceira Condição de Amos Oz, e O Livro do Riso e do Esquecimento, de Milan Kundera. O Primeiro centra-se no conflito entre israelitas e palestinianos, retratado através de Fima, um homem de meia-idade que decepciona muita gente, incluindo ele próprio. Ao longo desta história acompanha-se o reencontro de Fima com a sua condição de judeu errante. O segundo reúne um conjunto de histórias que se interligam na exploração da natureza humana e do mundo tal como o conhecemos no século XX. Uma obra em que a ficção é um pretexto para se falar de memórias autobiográficas e acontecimentos históricos que Milan Kundera viveu na primeira pessoa, na conturbada história da União Soviética.

publicado por Miguel Seara às 11:36

link da entrada | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Abril de 2009

A COLECÇÃO VINTAGE NO SOL

Se o conceito está na moda para tudo, por que não haveria de estar também para os livros? É o argumento para se reunirem estes três livros – com mais a caminho – sob o mesmo “tecto”: uma Colecção Vintage. O grafismo das capas pisca discretamente o olho ao conceito, mas não é esse o objectivo principal a reter. Aqui, é à intenção que se deve dar valor. Porque no fundo trata-se apenas de um bom motivo para dar nova vida a obras fundamentais de uma selecção cuidadosa de escritores conceituados. Se já temos Sexus – o ponto inaugural da fundamental trilogia Rosa-Crucificação –, O Livro do Riso e do Esquecimento – pano de fundo para toda uma obra de casamento entre humor e reflexão filosófica – e A Terceira Condição – o pulsar mais claro de uma voz que tem tanto de literária como de histórica –, não precisamos de pedir muito mais para que os ventos da moda vintage tenham sido bem aproveitados.

publicado por Miguel Seara às 11:21

link da entrada | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 16 de Abril de 2009

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO NA LIVRARIA IDEAL

publicado por Miguel Seara às 17:07

link da entrada | comentar | favorito
|
Terça-feira, 7 de Abril de 2009

PHILIP ROTH ENTREVISTA MILAN KUNDERA

 

 

No dia 30 de Novembro de 1980, o The New York Times publicou uma extensa entrevista de Philip Roth a Milan Kundera, a propósito de O Livro do Riso e do Esquecimento. Podem ler o artigo em que este dois pesos pesados da literatura mundial discutem sobre o fim do mundo, o totalitarismo, a liberdade, a literatura, o riso e a sexualidade aqui.

Para ler também a crítica de John Updike a O Livro do Riso e do Esquecimento, publicada no mesmo dia, aqui.

publicado por Miguel Seara às 09:53

link da entrada | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 1 de Abril de 2009

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO – MILAN KUNDERA

 

Considerado pelo The Observer como um dos 100 melhores livros de sempre.


Em 1971, três anos após a ocupação do seu país pelos Russos, Mirek – sob vigilância da polícia secreta – tenta recuperar as cartas de amor que escreveu a uma ex-namorada. Marketa e o marido, Karel, têm de lidar com a atitude cada vez mais infantil da mãe de Karel e, simultaneamente, com a amoral Eva e os desejos do passado. Numa pequena escola de Verão francesa, duas raparigas americanas aprendem as lições do riso. Jan, de 41 anos, prepara-se para atravessar diversas fronteiras – geográficas, existenciais e eróticas – para ter uma nova vida nos Estados Unidos. E Tamina, a quem o exílio obriga a trabalhar como camareira, luta desesperadamente contra o esquecimento, que começa a esfumar a recordação do seu falecido marido. A história desta bela exilada contém as verdades fundamentais do livro: a experiência trágica da Primavera de Praga e a vida no mundo ocidental.

 

Política e erotismo, humor e tristeza, utopia e quotidiano; contrastes que alimentam este “romance em forma de variações”, que é não mais que uma viagem ao coração da existência humana no século XX. Num mundo onde a História pode ser reescrita de dia para a noite e em que o amor pode ser vítima quer da intromissão política, quer da traição pessoal, estas são histórias de homens e mulheres a viver um esquizofrénico quotidiano de opressão pública e desejos privados.

publicado por Miguel Seara às 10:17

link da entrada | comentar | favorito
|

O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO – A CRÍTICA

“Uma obra-prima.”

Salman Rushdie

 

“Uma obra-prima, um dos mais belos romances da segunda metade do século XX.”

António Mega Ferreira, Expresso

 

“Não há uma verdade mas diversas verdades (ou diversas ‘mentiras’), e Milan Kundera, cavaleiro solitário da arte, proporciona-nos o direito de as pressentirmos, apelando à nossa lucidez… Kundera é um escritor, um artista, não é um dissidente ‘à la Soljenitsine’. É, acima de tudo, um homem com H grande.”

Clara Ferreira Alves, Expresso

 

“Kundera é precisamente um romancista realista e metafísico; de um realismo e de uma metafísica extenuados e dolorosos; e, por esta razão, capaz de lampejos, de intuições penosas, de aparições escaldantes, de centelhas e de espasmos.”

Antonio Tabucchi, Jornal de Letras

 

publicado por Miguel Seara às 10:15

link da entrada | comentar | favorito
|

LEIA A PRIMEIRA PARTE DE O LIVRO DO RISO E DO ESQUECIMENTO

Em Fevereiro, 1948, o dirigente comunista Klement Gottwald subiu à varanda de um palácio barroco de Praga para falar às centenas de milhares de cidadãos aglomerados na praça da Cidade Velha. Foi uma grande viragem na história da Boémia. Um momento fatídico, como acontece uma ou duas vezes por milénio.

 

Gottwald fazia-se acompanhar pelos camaradas, e ao lado, muito perto, estava Clementis. Nevava, estava muito frio, e Gottwald vinha de cabeça descoberta. Clementis, muito solícito, tirou o gorro de pele que trazia e colocou-o na cabeça de Gottwald.

 

A secção de propaganda fez centenas de milhares de exemplares da fotografia da varanda de onde Gottwald, de gorro de pele e rodeado pelos camaradas, fala ao povo. Nesta varanda começou a História da Boémia comunista. Todas as crianças conheciam a fotografia, porque a tinham visto nos cartazes, nos manuais ou nos museus.

 

Quatro anos mais tarde, Clementis foi acusado de traição e enforcado. A secção de propaganda fê-lo desaparecer imediatamente da História e, como é evidente, de todas as fotografias. A partir daí, Gottwald está sozinho na varanda. Onde ficava Clementis há apenas a parede vazia do palácio. De Clementis restou o gorro de pele na cabeça de Gottwald.

 

Continue a ler a primeira parte de O Livro do Riso e do Esquecimento aqui.

publicado por Miguel Seara às 10:10

link da entrada | comentar | favorito
|

MILAN KUNDERA

Romancista e ensaísta, Milan Kundera nasceu em Brno, na República Checa, em 1929. Após a publicação de A Brincadeira (1967), que lhe conferiu uma notoriedade imediata, e de O Livro dos Amores Risíveis (1969) (Prémio da União dos Escritores Checoslovacos), é vítima da repressão soviética a seguir ao esmagamento da Primavera de Praga. Os seus livros são interditos, é proibido de trabalhar e perde o direito de publicar. Em 1975, foge para Paris, onde vive desde então, tornando-se cidadão francês em 1981, após lhe ter sido retirada a nacionalidade checoslovaca, como consequência da publicação em França de O Livro do Riso e do Esquecimento.

Toda a sua obra está traduzida em Portugal, nomeadamente, nas Edições ASA, os romances A Identidade, A Lentidão, A Ignorância, A Valsa do Adeus e O Livro do Riso e do Esquecimento, a peça de teatro Jacques e o seu Amo e os ensaios Os Testamentos Traídos e A Cortina. Entre outros prémios, Milan Kundera recebeu, pelo conjunto da sua obra, o Common Wealth Award (1981), o Prémio Jerusalém (1985) e o Prémio Nacional de Literatura da República Checa (2007).

A sua obra A Insustentável Leveza do Ser foi adaptada ao cinema em 1988 por Philip Kaufman e protagonizada por Daniel Day-Lewis e Juliette Binoche. A Brincadeira foi também transposta para o cinema por Milos Forman em 1969.

publicado por Miguel Seara às 10:09

link da entrada | comentar | favorito
|

MILAN KUNDERA – PRÉMIOS E DISTINÇÕES

1964 – Prémio Estatal da República Socialista da Checoslováquia

1969 – Prémio da União dos Escritores Checoslovacos para O Livro dos Amores Risíveis

1973 – Prémio Médicis para o melhor romance estrangeiro publicado em França para A Vida não é Aqui

1978 – Prémio Mondello para o melhor livro publicado em Itália para A Valsa do Adeus

1981 – Common Wealth Award pelo conjunto da sua obra

1982 – Prémio de Literatura Europeia pelo conjunto da sua obra

1984 – Prémio do Los Angeles Times para a ficção para a obra A Insustentável Leveza do Ser

1985 – Prémio Jerusalém pelo conjunto da sua obra

1987 – Prémio da Crítica da Academia Francesa para A Arte do Romance

Prémio Nelly-Sachs

Prémio do Estado Austríaco para a Literatura Europeia

1991 – Prémio de Ficção Estrangeira do The Independent para A Imortalidade

1993 – Prémio Aujourd’hui para Os Testamentos Traídos

1994 – Prémio Jaroslav Seifert para A Imortalidade

1995 – Medalha de Mérito da República Checa pela sua contribuição para o desenvolvimento da democracia

2000 – Prémio Herder da Universidade de Viena

2005 – Prémio de Literatura de Brno

            Finalista do Man Booker International Prize 2005

2006 – Prémio Ladislav Kujs da Academia de Letras da República Checa

2007 – Prémio Nacional de Literatura da República Checa

2009 – Prémio Mundial da Fundação Simone e Cino del Duca

publicado por Miguel Seara às 10:08

link da entrada | comentar | favorito
|

Pesquisar neste blog

 

Inspirada por um conceito intrinsecamente associado a qualidade e singularidade, a Coleção Vintage tem por objetivo reunir obras literárias excecionais, da autoria de escritores consagrados.






















































Arquivos

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

tags

a terceira condição

amos oz

aniversário

biografia

coleção vintage erótica

corriere della sera

crítica

dia mundial do livro

edith wharton

edward norton

efeméride

el periódico

entrevista

excerto

expresso

filme

focus

forward

haaretz

henry e june

henry miller

história d'o

i

john curran

john updike

jornal de letras

jornal de negócios

le monde

livraria ideal

marguerite duras

milan kundera

naomi watts

natalie portman

nexus

o amante

o fio da navalha

o livro do riso e do esquecimento

o pequeno traidor

o véu pintado

ópera

passatempo

paul auster

pauline réage

philip roth

plexus

prefácio

prémio nobel de literatura

prémios

público

rtp

sábado

servidão humana

sexus

sic

sinopse

sol

somerset maugham

sono crepuscular

the hindu

the nature of dreams

the new york times

time out

trailer

tsf

uma história de amor e trevas

uma pantera na cave

vídeo

visão

weekend económico

todas as tags

blogs SAPO

subscrever feeds